Postagens

O supervulcão! Eles existem e é mais uma maneira de extinguir a humanidade. O que se pode fazer?

Os vulcões sempre assombraram a humanidade, porém agora os cientistas estão estudando algo muito mais assustador, os supervulcões, mil vezes maior e mais destrutivo. E, antes de ser um evento do passado, é um acontecimento comum, responsável por alterações no clima e extinções em massa.

Os vulcões formam-se pelo acúmulo de magma (rocha derretida) que irrompe para a superfície. A força do fenômeno dá a forma cônica. Há mais de mil vulcões em atividade no mundo e cerca de cinquenta entram em erupção todo ano

Já nos supervulcões, o magma não chega à superfície, fica acumulado em uma câmara magmática acumulando sua carga mortal por milhares de anos até explodir. O último supervulcão a explodir foi o Toba, na Sumatra, 74.000 anos atrás. O efeito no planeta foi devastador. Foi o primeiro a ser descoberto.

Porém algo foi descoberto, em 1965, no Parque de Yellowstone (o do Zé Colméia), o pesquisador Robert Christiansen observou no parque cinza compactada. Acreditava que o parque era um supervul…

O pequeno passo de Armstrong: sobre a história do programa espacial e Apollo

No último post, Os frades da Cantuária e a Missão Apolo (não deixe de ler), citamos a Apollo, um esforço incrível que merece um post próprio.

Em 16 de julho de 1969, partia do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, a nave espacial Apolo 11, levando para a Lua os astronautas Edwin "Buzz" Aldrin, Michael Collins e Neil Armstrong. Finalmente, em 20 de julho de 1969, o Módulo Lunar pousou e Armstrong entrou para a história como o primeiro ser humano a pisar na Lua.

Ao contrário do que possa parecer, ir à Lua envolveu um grande desenvolvimento tecnológico e um suporte financeiro gigantesco. Mas, estávamos em 1961, o recém-empossado John F. Kennedy havia fracassado com a invasão da Baia dos Porcos em Cuba em abril, então, em maio de 1961, fez um discurso prometendo levar o homem à Lua antes do final da década. Não custa lembrar que os russos já haviam colocado em órbita o primeiro satélite artificial da Terra em 4 de outubro de 1957, o Sputnik. E, depois, colocaram o primeiro homem n…

Os frades da Cantuária e a Missão Apolo: impactos de meteoros na Terra acabam camuflados, mas na Lua...

A nossa lua está cravejada de crateras causadas por impactos de cometas e asteróides. O tamanho do estrago revela a energia do impacto, ou seja, revela a massa e a velocidade provável. A maioria das crateras foi escavada bilhões de anos atrás. Nos últimos milhões de anos, esse tipo de evento tornou-se raro. Mas acontece!

A uns 65 milhões de anos, os dinossauros foram extintos, abrindo a oportunidade para que os mamíferos ocupassem a Terra e que nós, seres humanos, evoluíssemos e tivéssemos a nossa oportunidade de existência e capacidade de perpetuação.

A cidade de Cantuária (Canterbury em inglês) fica no sudeste da Inglaterra e é o principal centro religioso do Reino Unido. É o local onde vive o arcebispo da Cantuária, líder espiritual da Igreja Anglicana. Humanos povoaram essa região desde os tempos pré-históricos. A Cantuária foi também um centro administrativo romano. Depois, a cidade foi invadida pelos bárbaros jutos, sediando o Reino de Kent. Cantuária tornou-se conhecida graças à…

As aves: são os descendentes dos dinossauros?

Uma das ciências mais fantásticas é a Paleontologia. Nos últimos anos aconteceram tantas descobertas que somente os documentários e revistas específicos nos colocam a par. E essas descobertas são de impressionar até o meu antigo professor Pascoal Turato.
Observando o rio de nossa cidade, vemos que no fundo formam-se sedimentos, necessitando-se constantes dragagens. Esse processo já havia sido observado no delta do Rio Nilo por Tales de Mileto, por volta do ano 600 A.C.. As camadas mais recentes depositam-se sobre as mais antigas. Isso ocorre no mar, nos vales, por toda a Terra. Assim, basta escavar áreas de sedimentação para observar o passado.
E o que descobrimos? Nas camadas superiores, espécies que convivem conosco hoje em dia. Conforme se vai aprofundando, espécies aparecem e desaparecem, mostrando-nos a evolução anunciada por Charles Darwin em 1.859.
Sabemos que há 350 milhões de anos todos os continentes fundiram-se em um único, a Pangéia, formando o supercontinente que se tor…

A maior extinção: a dos dinossauros não foi a primeira nem a maior

Vivemos um período de extinção em massa, tão agressivo que muitos já classificam nossa era como a sexta extinção. Outras cinco já aconteceram e poucas criaturas sobreviveram. Dos seres dominantes, hoje mal temos os fósseis para nos ensinar. E se não entendermos o sinal de alerta que a Paleontologia nos dá, faremos parte dos extintos também.

Já sabemos que e como os dinossauros foram extintos há 65 milhões de anos e, agora, estamos descobrindo uma nova e maior tragédia ocorrida na passagem do Permiano e Triássico, há 250 milhões de anos.  Durante o período Permiano havia um sistema bastante complexo. É o que se descobriu.

Essa descoberta teve início quando um fazendeiro encontrou uma pegada e, dez anos depois, um geólogo a levou à Universidade de Bristol. Iniciou-se o longo caminho a descobertas não imaginadas. Descobriu-se espécies desconhecidas, e que alguns répteis estavam tornando-se mamíferos.
Entre esses "proto-mamíferos" encontramos o nomeado listrossauro (porco pré-h…

O asteroide do extermínio - como se descobriu o fim dos dinossauros

Ao escavar o solo, muitos fósseis foram descobertos, eram de animais que já não existem mais. Então, na Itália fizeram uma descoberta incrível que nos revelou que há 65 milhões de anos, 70% de toda a vida na Terra desapareceu. As escavações arqueológicas revelaram isso, muita vida existia até uma camada chamada KT, encontrada em todo o planeta. Abaixo dessa camada fina (1,5 cm) de detritos (entre eles o raro Irídio) encontramos muitos amonites. Esses seres viveram por mais de 300 milhões de anos, até serem extintos na camada KT. Acima dessa camada encontramos os animais modernos e abaixo os dinossauros.
Essa camada foi primeiramente descoberta na Itália em 1979, seguindo-se pelo resto do mundo. O tempo foi avaliado em 65 milhões de anos. O Irídio é raro na Terra, mas abundante em muitos meteoros. Em 1980, foi proposta a “teoria do impacto”: um meteoro atingiu a Terra e matou os dinossauros. Mas onde está tamanha cratera?
Os pesquisadores observaram que na camada havia quartzo e era mai…